Soja lidera exportações e eleva a participação do agronegócio na balança comercial em 2017

Com produção recorde de grãos, o ano de 2017 foi excepcional para o agronegócio. Os números repercutiram na balança comercial, que fechou o ano passado com US$ 67 bilhões, maior resultado da história.

Ao todo, os dez principais produtos da agropecuária geraram receitas de US$ 77,4 bilhões em 2017, respondendo por 36% das receitas totais do país com exportações – os números representam um crescimento de 15% em comparação com 2016.

Dados do Mdic (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços) divulgados nesta semana mostram que as exportações somaram US$ 217,7 bilhões no ano passado, enquanto as importações ficaram em US$ 150,7 bilhões em 2017.

O saldo positivo da balança comercial foi o maior desde 1989, início da série histórica, e representa um aumento de mais de 40% em relação a 2016.

A grande estrela do saldo positivo foi, mais uma vez, o complexo soja (grãos, farelo e óleo), responsável pela entrada de US$ 31 bilhões no país. Mesmo em meses tradicionalmente fracos, como dezembro, a soja foi o terceiro produto mais exportado pelo Brasil, indicando a importância do produto para a balança comercial.

Previsão

Em 2018, o saldo comercial positivo deve ser de US$ 50 bilhões, segundo expectativas do Mdic. “Tanto as exportações quanto as importações devem apresentar os maiores valores dos últimos três anos”, disse Abrão Neto, secretário de Comércio Exterior da pasta. O superávit será menor do que o registrado em 2017 porque, segundo ele, “a expectativa é que as importações crescerão mais do que as exportações por causa da retomada da economia”.

O secretário afirmou ainda que prevê um bom ano para as exportações de commodities. “O FMI (Fundo Monetário Internacional) espera crescimento para importantes parceiros comerciais do Brasil, como China, EUA, Argentina, zona do Euro, América Latina e Caribe”, disse Neto.

Deixe um comentário